segunda-feira, 25 de julho de 2011

Caí do Cavalo...

Cópia da carta que enviei ao Dr. Ruy Gessinger lá do Sul deste País. O assunto era "extravios de arreios" ou em portugues claro, tombos de cima de cavalos. E como todo gaúcho que se preze contei uma das minhas quedas cavalares, ginete que fui em tempos idos. Vamos ao assunto...

segunda-feira, 25 de julho de 2011



"Ruyeee....muito bom...ainda estou dando risada. Em especial quando citas as 7.987;678.567.435.567.000 pelagens da cavalhada.  Eu também, campeiro que fui quando de minhas andanças gauchescas, nunca consegui aprender as pelagens. Porque quando achava que tinha aprendido o básico lá aparecia um "lubuno gateado" que vinha não sei de onde...kkkkkk daí fiz o seguinte. Passei esse capítulo. Deixei quieto o assunto, pois qual a lingua dos asiáticos, pensei assim: nunca vou ter "percisão" da matéria. Eu hein!!!! E lá me fui em frente sem aprender as pelagens dos bichos. Mesmo porque, logo adiante, no meu "ofício de peão" encerrei minha curta carreira de cavaleiro ao cair um tombo homérico, digno de aplausos, porque aclamado e aplaudido fui na cidade de |Santo Ângelo, num rodeio que tinha ido apenas para ver as gineteadas. O acontecido foi no estádio de futebol da cidade. Lá acontecia um rodeio e fui com alguns amigos ver a farra. Lá pelas tantas depois de muitos pulos e quedas surgiu um animal que era o demônio do rodeio e o locutor do evento chamava alguém que se dispusesse a montar o citado animal. Adivinha quem se ofereceu? Pois é. Foi pá..e ja ajeitei um par de botas dum parceiro, arremanguei as calças "dins" e entrei no campo de futebol travestido de mangueira de fazenda. Seguravam o cavalo na argola e ele me pareceu calmo, quando cheguei pertinho. Pensei comigo.Aqui que eu me arranjo com as "guria da cidade". Vai ser moleza esse matungo. Alcei a perna prá cima, em pêlo, nada prá segurar a não ser as crinas do bicho. Segurei bem o manojo da crina, passei pelo meio dos dedos, me firmei bem nas pernas e mandei que soltasse o "animalzinho". Rapaz...não sei quanto durou aquilo. Segundo me contaram, depois que acordei, foi uns poucos segundos. Me vi, voando, soltito no espaço. O bicho na primeira pegada me atirou uns 5 metros prá cima e eu me vim e caí de peito no chão. Perdi o ar e desmaiei. Um vexame total. Não deu nem prá saída. Segundos depois tentei me erguer mas não dava. Faltava o ar..kkkkkkkk Os amadrinhadores correram  juntar os cacos. Saí meio carregado mas escutava o povaréu gritando e aplaudindo o artista do dia. Que fiasco. Ali, deixei o "nobre ofício" de domador. Passei uma semana em que me doía tudo, pois cosa feia é tombo de cavalo. Se o peão escapa do bicho cair em cima, sempre sobra um casco de raspão, um manotaço em alguma parte do corpo. Mas mesmo assim, rendeu a pacholada. Fiquei amigo de muita gente boa em Santo Ângelo. E a eterna certeza que aprendi com os campeiros.: - Ovelha...não é prá mato!
Abração. Ivanhoé

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Show de Humberto Gessinger no HSBC

H.Gessinger e Duca Leindecker
Olha aí pessoal. Coisa boa deve ser divulgada e aqui gosto de recomendar coisa boa. A banda Pouca Vogal, formada por Humberto Gessinger (do Engenheiros do Hawaii) e Duca Leindecker (do grupo Cidadão Quem), se apresenta em 27 de agosto no HSBC Brasil (zona sul de São Paulo).
O dueto de músicos gaúchos divide seus talentos em uma formação enxuta. Ambos cantam e, enquanto Leindecker toca instrumentos de percussão, Gessinger toca outros de corda.
"Optamos por nos apresentar com essa configuração pois só assim conseguiríamos escapar daquele formato de banda, do qual já estávamos saturados. Mas, por outro lado, não queríamos fazer algo do tipo 'voz e violão'", afirma Gessinger.
Os ingressos já estão à venda nas bilheterias e pelo site da casa e custam de R$ 70 (setor 3) a R$ 140 (camarote e setor VIP).  Vale a pena conferir.

terça-feira, 19 de julho de 2011

 
Sem maiores comentários...
 
FALCÃO - Rogério Mendeslki lá dos pagos do sul, acerta na mosca ao analisar a queda do treinador Falcão do Internacional e faz um parâmetro abalisado sobre relacionamento de cartolas,  jogadores , treinadores e os otários torcedores do futebol atual. Muito bom, transcrevo pois vale a pena ler.
 
"Não deixa de ser interessante a semelhança desses técnicos de futebol e seus destinos quando o fracasso lhes aponta a porta da rua dos clubes por onde passaram. No caso de Dunga, o maior clube de todos – a seleção. O mesmo vale para Mano Menezes já com meio corpo fora da casa.
A semelhança entre eles, no entanto, é homogênea. Todos foram contratados para uma missão que se torna cada vez mais complexa no universo estelar dos jogadores-milionários e desprovidos daquilo que um dia era a razão dos boleiros: o amor à camiseta. 
Foi-se o tempo dos treinadores que eram respeitados dentro do vestiário e nas preleções que antecediam os jogos. Quem ousaria discutir com o velho Tetê, ou com Flávio Costa, Aimoré Moreira, Foguinho, Enio Andrade, Yustrich, Telê Santana, Carlos Froner,  Zagalo, Claudio Coutinho, João Saldanha e tantos outros agora esquecidos pelo colunista?
A chamada evolução do futebol nos levou fatalmente às crises constantes de treinadores que passam rapidamente pelos clubes quando deixam de “controlar o vestiário” e são boicotados por “lideranças” entre os jogadores. Os altos salários – todos absurdos, sem distinção – aliados aos interesses comerciais e ao misterioso conluio entre alguns dirigentes e empresários transformaram a paixão dos brasileiros  apenas num grande negócio.
Numa outra época, o vexame de ontem – quatro penalidades máximas perdidas numa decisão – provocaria uma onda de vergonha verdadeira nos jogadores que vestiram a camiseta verde-amarela. O que se viu ontem? Explicações toscas e primárias do treinador e dos “craques” que deram entrevistas.
Falcão, Renato, Dunga e Mano, todos “gente boa”, de certa maneira não estavam preparados para os desafios que exigiram deles. Falcão e Renato porque foram treinar clubes que são rivais históricos e que não podiam perder para ninguém.  Dunga e Mano porque tinham como missão manter a seleção no pódio das melhores para manter os contratos comerciais milionários da CBF. 
Falcão e Renato deixaram Inter e Grêmio sem a simpatia dos respectivos presidentes, mesmo sendo ídolos de suas torcidas e com as demissões contrariadas por elas. Futebol hoje é puro business. O torcedor é apenas um elo frágil nesse mundo perigoso e rico de cartolas, jogadores milionários e empresários ávidos por novos contratos.
Dizem que treinador bom é aquele que é temido e respeitado. Verdade para outros tempos do futebol. Hoje, o jogador-milionário está se lixando para preleções, multas e banco dos reservas. A hierarquia se derrete na preleção quando o infrator tem dezenas de milhões no banco. Jogador-celebridade dá mais valor hoje ao seu cabeleireiro e ao vendedor da loja de grifes do que ao conselho e à admoestação do treinador. Neste contexto atual a vida dos treinadores estará sempre por um fio. É mais fácil demitir um treinador que um craque tatuado e com gel no cabelo. Dirigente “moderno”, para se manter no cargo, tem sempre o treinador na sua lista de demissão."
 
Futebol virou circo queridos amigos...quem são os palhaços ??? adivinhe..heheeee

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Seleção "a" brasileira....hahahahahaaaaa

Mano Menezes- : - Veja bem!!!!!
Bando de incompetentes...estrelinhas...mercenários...pernas de pau...amadores...irresponsáveis...sem vergonha na cara. Deveriam se esconder depois desse fiasco internacional. Junta todo esse bando, incluindo o treinador e não faz um time de futebol. Quero ver o que a imprensa vai falar dos protegidos dela. Seu Galvão Bueno, arataca da Globo. Esses jogadores aí, sem exceção apenas são artistas globais. Jogam pra midia, por dinheiro exclusivamente. Vida boa e festa. Esse negócio antigo de vestir a camisa da seleção ja era. E como todas as coisas aqui neste país estão indo a breca, é claro que o futebol tem que ir junto. Demorou!!! E esse treinador aí, Mano dos manos, não ganha nada! Esses caras gostam é de fazer política.
Daí,  eis  o  resultado .  Um  vexame  pior  que  o  de  1950  no  Maracanã. Isso  apenas  tem  um  nome .
SOBERBA!   ARROGÂNCIA! E aviso aos navegantes. A festa acabou. A Seleção Brasileira daqui prá frente vai ter que sofrer prá ganhar das Venezuelas, Colombias, Paraguays da vida. Acabou a moleza torcidinha nacionalista. E está pra chegar o fiasco maior ainda. A realização da Copa de 2014. Será sem dúvida nenhuma a maior esculhambação já patrocinada no esporte mundial,. Me cobrem.
Fui...

sábado, 16 de julho de 2011

Casa Arrumada...Carlos Drummond de Andrade

(Itabira,1902-Rio de Janeiro,1987)
Minha querida amiga Dra. Miriam  lá de Mogi das Cruzes me enviou esse mail que achei legal postar aqui no blog, pois é um texto do grande escritor Drummond de Andrade, mineiro de Itabira e um dos nossos inúmeros grandes poetas brasileiros. Muita gente com certeza não conhece, então, eis aqui o "escrivinhado".
CASA ARRUMADA.
Casa arrumada é assim:
Um lugar organizado, limpo, com espaço livre pra circulação e uma boa
entrada de luz.  Mas casa, pra mim, tem que ser casa e não um centro cirúrgico, um
cenário de novela.
Tem gente que gasta muito tempo limpando, esterilizando, ajeitando os
móveis, afofando as almofadas...
Não, eu prefiro viver numa casa onde eu bato o olho e percebo logo:
Aqui tem vida...
Casa com vida, pra mim, é aquela em que os livros saem das prateleiras
e os enfeites brincam de trocar de lugar.
Casa com vida tem fogão gasto pelo uso, pelo abuso das refeições
fartas, que chamam todo mundo pra mesa da cozinha.
Sofá sem mancha?
Tapete sem fio puxado?
Mesa sem marca de copo?
Tá na cara que é casa sem festa.
E se o piso não tem arranhão, é porque ali ninguém dança.
Casa com vida, pra mim, tem banheiro com vapor perfumado no meio da tarde.
Tem gaveta de entulho, daquelas que a gente guarda barbante,
passaporte e vela de aniversário, tudo junto...
Casa com vida é aquela em que a gente entra e se sente bem-vinda.
A que está sempre pronta pros amigos, filhos...
Netos, pros vizinhos...
E nos quartos, se possível, tem lençóis revirados por gente que brinca
ou namora a qualquer hora do dia.
Casa com vida é aquela que a gente arruma pra ficar com a cara da gente.

Arrume a sua casa todos os dias...
Mas arrume de um jeito que lhe sobre tempo pra viver nela...
E reconhecer nela o seu lugar.
Lindo saber escrever, né? Até amanhã, se Deus quizer...

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Melhores todos os dias...



Brincos de Princesas ((Fuchsia hybrida)
Hoje acordei cedinho, fui até o quintal e fiquei observando minhas plantas. Adoro plantas. De todos os tipos.Pode ser um pé de qualquer coisa. Tudo me faz ficar pensando em quanto Deus é importante em nossas vidas. Você olha prá cima e vê o universo, uma imensidão de céu que até hoje, passado milhares de anos o homem não consegue decifrar. Algumas coisinhas apenas. E vejam os oceanos. O tão pouco que conhecemos. E o interior da terra, embaixo dos nossos pés o que sabemos? Um ínfimo. Isso gente. Tudo perto de Deus, é tão pouco. Ele é a única explicação para que todas essas coisas funcionem em perfeita harmonia que só é quebrada quando o homem vai lá e mete o dedo. Mas voltemos as plantas. Tenho inúmeras delas. Do rasteirinho "dinheirinho em penca" (só na planta), ao vaso de flôres maravilhosas como são Brincos de Princesas, Impatiens de diversas cores, tenho Hibiscos vermelhos, amarelos, simples, dobrados. Tenho Lírios, Azedinhas, Lágrimas de Cristo, Rosas, Margaridinhas, e mais uma porção delas. Folhagens tenho inúmeras. E todas, cada uma delas, tem vida. Uma maneira de serem cuidadas. Umas requerem muita água, outras pouca senão são afogadas. O que quero dizer com tudo isso? Vou tentar. Quero falar que assim como todas essas coisas acima tem que viver em perfeita harmonia e serem cuidadas diariamente, o homem também tem que urgentemente se integrar a todo universo pois como ele esta procedendo resta bem pouco do mundo. Não sou cético mas basta vc ligar a tv ou outra qualquer ferramenta que te coloque a par das coisas, que até o menos sabido só que não queira ver, verá sim o que estou dizendo. É só tristezada. Onde vc olha as coisas estão se degradando a olhos vistos. Só sacanagem, safadezas, descaso, um passando por cima do outro num total desrespeito ao seu semelhante. Caminho que sem dúvida nenhuma, levará a cada dia nos trazer mais incerteza se amanhã estaremos por aqui. Resta a todos nós tomar algum tipo de atitude ou cruzar os braços, cuidar da própria bunda, ou nos fazer melhores todos os dias. Tratar bem seu vizinho que te olha com desconfiança ao vc dar bom dia a ele pela manhã. Principalmente aqui na cidade grande onde milhões de pessoas cruzam umas com as outras milhões de vezes todos os dias. Ninguém se conhece e estão tão duras que nem pensam na possibilidade de se conhecerem. Não tem tempo e conhecimento prá isso. Ontem estava vendo um video gravado numa praia do litoral gaúcho onde uma mulher se atrapalhou dentro de um carro e acabou caindo dentro de um rio. Me chamou atenção duas personagens. A primeira o namorado dela que saltou pela janela do caroneiro e cuidou da própria pele, deixando  a infeliz criatura abandonada a sua sorte. E o segundo cidadão, foi correr buscar a máquina fotográfica para filmar e fotografar a cena.  Apenas isso. Não consigo, por mais que tente, admitir uma pessoa ter a frieza em fazer isso e ainda ir para frente de uma câmera de televisão dar entrevista e contar o ocorrido. Não lhe passou, com certeza, a possibilidade de ter se atirado dentro do rio (tá bom, mas aí vcs vão dizer que o cara não sabe nadar) para no mínimo socorrer a mulher? Não quero julgar os referidos cidadãos, mas tenho só uma certeza. É que ninguém conseguirá me dobrar e aceitar tal atitude, para mim, no mínimo, uma atitude de covarde, omisso com certeza dentro do contexto atual de que hoje em dia, devemos virar as costas e se possível sair correndo para o mais longe possível da cena. Assim, estamos preservados de ser incomodados. Sinal dos tempos. Cada um por si....e Deus por todos. E assim as coisas vão se sucedendo, amanhã quem sabe, poderá acontecer com um dos nossos. E se isso, algum dia acontecer, que pelo menos o acontecido nos sirva de lição. E nos tornemos melhores todos os dias...
Aé amanhã...

segunda-feira, 11 de julho de 2011

sábado, 9 de julho de 2011

"Eu só assinei" hahahaaaaaa

Vice Governador do Rio-"Pezão" : "EU SÓ ASSINEI"kkkkkkkkkkkkkk
Li no blog do meu querido amigo gaúcho Dr.Ruy Armando Gessinger mais um texto que me chamou atenção. É um comentário escrito por Vivian Dias perguntando por que os brasileiros não reagem a corrupção no País. Alega que é uma mistura de fatos. Pois eu acho que é por semvergonhice mesmo. Nada mais que isso. Todos querem levar vantagem, se locupletar, arranjar uma mordomia desde que paga com o suor dos outros. E isso é uma geral, é apenas o retrato fiel do brasileiro. De onde veio isso? Claro que junto com o descobrimento. Desde então aqui sempre foi assim e a única maneira de acabar com isso é pondo fogo em tudo e começando de novo. Do zero. Tolerância zero pois  aqui se deixar tolerância 1 o País esta literalmente ferrado. Os brasileiros sabem se mexer dentro de qualquer situação. E dentro dessa tolerância 1 com certeza vai se virar e começar a esculhambação novamente.  Os políticos sempre arranjam uma maneira de deixar a portinha dos fundos sem porteiro para a entrada dos amigos. Claro que ficarão nas melhores cadeiras. Como dizia Jânio Quadros - " quem não gosta de uma mordomia?". Hoje abri o jornal a vi a matéria do vice governador do Rio de Janeiro um tal de "Pezão". Ele apenas comprou um imóvel de um cunhado seu que valia 300.000,00 por 470.000. Ter comprado , nada de anormal. Psiu...acontece que ele comprou o imóvel com dinheiro do estado do Rio de Janeiro. Comprou superfaturado um imóvel da familia dele, com dinheiro público. Tudo foi muito rápido. Ele ficou de interino em janeiro e deu uma canetada em um decreto lei desapropriando o referido imóvel para o estado. Tudo com o aval da Procuradoria do Estado que argumenta em sua defesa, atendendo uma representação feita por um contribuinte , que : "o parentesco não significa, “necessariamente, violação ao princípio da impessoalidade, o que só se pode afirmar mediante evidências concretas”. O MP já fora consultado durante o processo da compra, como é praxe em desapropriações do tipo. E não se opôs. Que maravilha. Todo mundo ficou bem servido, felizinhos da vida. Seu "Pezão" locupletado com o dinheiro dos outros,( a alegação do inocente:" Eu só assinei". ponto) o MP recebeu um imóvel de maneira no mínimo imoral e assim vai. Quem pagou a conta? Você otário, contribuinte do Rio de Janeiro. To aqui escrevendo pois não aceito me chamarem de omisso, arruaceiro, carneirinho, não protejo e nunca protegi filho arruaceiro, e concluindo. Este espaço aqui é meu e aqui é o jeito que eu tenho de gritar bem alto contra toda essa bandalheira que assola o Brasil. E tenho a certeza que igual a mim existe um monte de gente que ja se associou ao grupo dos indignados com tudo isso. Portanto, dona Vivian...posso até estar gritando contra o vento...mas alguém sempre escuta!!!
Até amanhã.
 
 

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Ilhéus...o que sobrou da "Princesinha do Sul.... parte II

Catedral de São Sebastião-Ilhéus

Aí, ainda indignado com o descaso encontrado na cidade histórica de Ilhéus resolvi enviar um recado aqui do Sul para o sr.prefeito daquela cidade. Não sei se vai receber ou irá retornar. É o que menos importa. Mas não poderia deixar de manifestar minha indignação pois ontem em uma roda de amigos falando em viagens pelo Brasil afora alguém citou o nome de Ilhéus e arredores. E o assunto primeiro foi a péssima impressão que tiveram de lá. Principalmente quanto a sujeira e segurança. Como sabe não sou de Ilhéus, não sou baiano mas acima de tudo isso, sou brasileiro. E como brasileiro que sou, me acho no dever e no direito de me manifestar contra todo os descasos de autoridades. Então mandei o abaixo recado:

"Sr.Prefeito. Como turista , estive em Ilhéus e arredores dias atrás e queria parabenizá-lo pelo verdadeiro LIXÃO a céu aberto que encontrei em sua cidade em especial no Centro Histórico e arredores. Aproveito o ensejo para cumprimentá-lo pela criação de Urubús "caseiros". Só falta domesticá-los para que não atrapalhe os turistas quando vão almoçar em algum lugar do centro da cidade. O Sr. no mínimo deveria ter um pouco de vergonha e cuidar de Ilhéus essa cidade tão linda e que tem uma verdadeira história para nós brasileiros.Com certeza, se nosso querido Jorge Amado vivo fôsse, mudaria o título de seu romance mais famoso para "Gabriela, lixo nas canelas" de tanta sujeira encontrada na cidade que ele tanto amou e divulgou. Tenha a certeza que irei divulgar aos quatro ventos aqui pelos lados do sul seu descaso para com seu povo.
Muito desprazer em falar com o Sr. e seu Secretário relapso.
Atenciosamente. Ivanhoé Eggler Ferreira.
           E foi isso. Amanhã escrevo mais. Vou comentar sobre o "Distrito Industrial de Ilhéus", mais especialmente o que sobrou do mesmo, nosso rico dinheirinho público lá investido.
Fui....

terça-feira, 5 de julho de 2011

Ilhéus. "princesinha do sul"....

Atente para o slogam da Prefeitura e os detalhes da foto.hahaahaaaaaaaaaa
E chegamos porfim na cidade objetivo, Ilhéus, estado da Bahia. Em um determinado momento Ilhéus foi o principal município produtor de cacau do mundo. O cacau gerou muita riqueza aos plantadores , coronéis que possuiam as terras e que mandavam na economia baiana. Foram anos de muita prosperidade e a cidade desenvolveu aceleradamente. Em 1924 construiram o porto de Ilhéus aja vista a necessidade que tinham até então, de exportar o cacau pelo porto de Salvador o que era um grande transtorno. Esse porto foi construido com recursos próprios dos cacauicultores daquela região. Claro, com a chegada do porto à cidade, o movimento trouxe a prosperidade e o  intercâmbio econômico e  cultural com varias partes do mundo. É a época narrada pelo escritor Jorge Amado nos seus romances. Muito luxo, dinheiro a vontade.
Ilhéus possui prédios arquitetônicos maravilhosos. Não tem como não observar a beleza do Bar Vesúvio (ponto de encontro da burguesia da época), o Teatro de Ilhéus, a Casa de Cultura Jorge Amado, o Palácio Paranaguá (hoje Prefeitura Muncipal) a Catedral de São Sebastião (reformada recentemente) e o Convento Nossa Senhora da Piedade (1928) assim como sua Igreja. Muito lindo. Aí, lá por volta dos anos 80 surge a praga conhecida como "vassoura de bruxa" que praticamente dizimou as plantações de cacau, trazendo o atraso quase que total ao desenvolvimento da cidade. Junto com essa praga, com certeza, chegaram junto os maus políticos ajudando a detonar a cidade. Ilhéus hoje está quase que totalmente abandonada pelo poder público. Nunca vi tanta sujeira, lixo espalhado,  em um só local. Vc senta em algum banco de um restaurante na cidade histórica e tem como vizinho, corvos. Uauuuu...ficou surpreso??? Corvos sim, urubus como queiram. Se alimentando de restos de lixo jogados em todas as ruas especialmente no Centro Histórico da cidade. Um verdadeiro descaso principalmente com o turismo. Segurança no centro turístico nem para "inglês ver". Ficamos com medo de entrar em determinadas ruas do centro pois era feriado e as ruas desertas a não ser por alguns moços suspeitos nos fizeram debandar rapidamente daquelas bandas. Esse prefeito atual deveria "prefeitar" o lixão da cidade..Sómente. Porque de administração, com certeza esse" apedeuta juramentado" não entende patavina. Ou faz isso propositalmente, o que ajuda a destruir esse patrimônio histórico cultural que é Ilhéus. Meus pêsames aos ilheenses. Nem tenho idéia o nome do "preclaro cidadão" e realmente nem quero saber. Amanhã, escrevo mais um pouco sobre o assunto...mesmo porquê vc liga a tv e falam de uma Ilhéus só de aeroporto onde a burguesia desce, pega seu helicóptero e se dirige aos cantinhos escondidos, guetos especiais reservados a eles onde construíram casas em lugares que deveriam ser protegidos e que  estão sendo destruídos em benefício de uma minoria privilegiada. Mas isso é assunto pra amanhã...boraaaa....

domingo, 3 de julho de 2011

Vitória da Conquista a Ilhéus...Bahia...


Casas a beira estrada-Ibicaraí BA


Então chegamos em Vitória da Conquista. Terceira maior cidade baiana, depois de Salvador e Caruarú, possui ordem de 300.000 habitantes. Por localizar-se em uma região estratégica, entroncamento da BR 116 , trecho que liga Rio de Janeiro com Salvador, e Ilhéus a Lapa mais ao norte, tornou-se um importante polo industrial, comercial e educacional. Contornamos a cidade e nos dirigimos no sentido Ilhéus, nosso objetivo do "passeio".  Novamente encontramos o abandono nas cidadezinhas que ligam Vitória a Ilhéus.
Descaso total com as cidades, muito desmatamento e um desenvolvimento completamente desordenado. As cidades , pequenas, mais parecem favelas a beira estrada. Construções antigas, mal cuidadas e muita sujeira.
Você vai passando por essas localidades ( Itapetinga, Itororó, Floresta Azul, Ibicaraí) e não tem como não perceber a total diferença dos estados sulinos. Chegamos em Itabuna,(em tupi "lugar de pedra preta) terra natal de um dos nossos maiores escritores, Jorge Amado, que é citada em Gabriela Cravo e Canela. Cidade de 200.000 habitantes também uma das cidades importantes do estado baiano, centro regional de indústria, de serviços e comércio. Foi importante economicamente quando do auge do cultivo do cacau exportando para varios países da Europa bem como para os EUA. Com a chegada da vassoura de bruxa, Itabuna entrou em compasso de espera em seu progresso. Hoje tenta se recuperar da grave crise que gerou a doença cacaueira. Se localiza, também como Vitória, em um entroncamento importante só que neste caso a BR101, estrada que costeia todo nosso litoral brasileiro. Dali, seguimos rumo a Ilhéus que dista ordem de 30 km de distância. E por fim, depois de dois dias estrada afora, aportamos na cidade objetivo de nossa viagem. Chegamos a Ilhéus, fundada em 1534 e elevada a categoria de cidade em 1881. É um marco muito importante na história do Brasil e quero me deter mais profundamente em algumas coisas que aconteceram e acontecem por lá...mas isso é narração viajeira para amanhã....
fuiii....

sábado, 2 de julho de 2011


Aí dei um pulo na Bahia mais precisamente na cidade portuária de Ilhéus. Meu irmão e eu, fomos de carro já que o referido cidadão não sobe num avião nem em pensamento. Logo ali, coisa de 1.900 km para ir e outros "logo ali" para voltar. A certa altura a bunda não se ajeitava no banco do automóvel. Mas como o motivo de semelhante aventura era trabalho não teve outro jeito. Lá fomos nós dois estrada afora. Saímos de São Paulo, interior, interioranos cidadãos que somos, la por volta de seis horas da manhã da sexta passada e fomos aportar na primeira parada, na cidade de Teófilo Otoni, estado de Minas Gerais. |Tudo nos conforme, estrada boa até a cidade de Belo Horizonte (BR381- Rodovia Fernão Dias) duplicada com os devidos pedágios de praxe. Aí você passa por Belzonte, circundando pela cidade, em meio a um mar de sujeira, lixo, abandono total, descaso, cruzando faróis vernelhos pois só louco para parar em meio a favelas escuras que contornam a capital dos mineiros. Ali vc escolhe. Morrer num cruzamento por passar o farol vermelho ou parar e correr o risco de assalto. Esteja a gosto. Mas isso é apenas amostra pois ocorre em todos os cantos do País. Daí em frente a estrada passa a ser mão dupla e ali que mora o perigo. É só ver as estatísticas de acidentes naquele trecho de Belo Horizonte a Governador Valadares (MG). Ai vc sai da BR381 e entra na BR116, nossa mais extensa rodovia brasileira, ali também denominada RIO-BAHIA. Como o movimento naquela altura é "pequeno" não deve haver interesse dos Donos de Pedágio em cuidar daquilo, então, salve-se quem puder. Dali prá cima, mão dupla, reze um Pai Nosso, umas quinze Ave Maria, se agarre com seu santinho viajeiro e seja o que Deus quizer. Vc vê de tudo e até o que nem imaginaria de ver. 550 km até Vitória da Conquista ja na Bahia e de lá a chegada a Ilhéus mais 250 km de estradas inseguras. Esse trecho de Teófilo Otoni a Vitória da Conquista nos dá uma noção real do que seja o Brasil afastado da costa. Cidades pequenas, pobres, sertão total em alguns lugares. Principalmente no estado de Minas Gerais, costeando Espírito Santo e Rio de Janeiro. A terra de péssima qualidade, vegetação rasteira, muita pedra motivo pelo qual vc vê plantações a margem da rodovia (mandioca (aipim, macacheira) , no acostamento da estrada mesmo. Com certeza moradores dali, aproveitam cada metro que pode ser utilizado para uma plantaçãozinha de subsistência florescer e mandam ver. Pobreza total. E assim, por todo aquele percurso. Fora a beleza da mãe natureza em alguns pontos, com pedras espetaculares verdadeiras obras de Deus, o que se vê é a região inóspita, sertão mesmo. Amanhã escrevo mais sôbre o percurso pois muita coisa interessante vimos nessa verdadeira cruzada...
Bora...